Polícia faz primeira prisão no Brasil de crime da Baleia Azul

julho 18, 201711:09 am

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu na manhã de ontem (17), em Nova Iguaçu (RJ), um jovem de 23 anos investigado sob suspeita de ser curador do jogo Baleia Azul, série de 50 desafios que deve ser cumprida até chegar ao suicídio. O rapaz foi identificado e passou a ser investigado pela Polícia Civil fluminense após meses de investigações jornalísticas do Núcleo de Reportagens Investigativas da Record TV. É a primeira prisão de alguém envolvido diretamente na curadoria do Baleia Azul ocorrida no país.

A equipe de jornalistas da Record TV se infiltrou em comunidades restritas e chegou até um administrador do jogo se fazendo passar por uma pessoa adepta aos desafios. Depois de fingir cumprir as ordens, uma vez por dia, a produção conseguiu se encontrar com o moderador. Sem desconfiar que a conversa era gravada, o rapaz falou sobre o jogo Baleia Azul e contou à suposta vítima, uma produtora da Record TV, porque queria levar os jovens a cometer o suicídio. Ao ser preso na manhã de ontem, “Calango”, que era como o moderador pedia para ser chamado durante os desafios do jogo Baleia Azul, afirmou à Polícia Civil fluminense ter sido curador de ao menos 30 jovens.

Todos os casos serão investigados pela polícia, que tentará descobrir se alguma delas foi efetivamente induzida ao suicídio pelo rapaz. “Eu gosto de ver as pessoas sofrerem”, diz curador da Baleia Azul.

“Em 30 anos de profissão, eu havia conhecido apenas um psicopata. Este é o segundo”. A frase, que ressoou como um tambor dentro da pequena sala onde as reportagens são editadas, foi dita pelo delegado José Mariano de Araújo Filho, da Delegacia de Investigações sobre Crimes Cometidos por Meios Eletrônicos, do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais).

Mostrando domínio na arte de seduzir presas vulneráveis, “Calango” mantinha uma linguagem corporal tranquila, movimentos suaves e olhar direto, sempre no intuito de ocultar um espirito sádico – embora travestido de serenidade.”Calango” se mostrou especialista no tema Baleia Azul. Falou sobre a origem russa do game, surgido em uma rede social do leste europeu equivalente ao Facebook. Explicou como se tornou “curador” e os motivos pelos quais se interessa por mutilações. “Eu gosto de ver as pessoas sofrerem”. Ao contar histórias fantasiosas sobre seitas e rituais, o prazer do jovem pelo sofrimento alheio era bastante óbvio. Durante a conversa, também ficou evidente que não havia nenhum interesse de caráter sexual da parte dele. Não buscava o prazer pelo sexo, buscava o prazer pela dor, pelo ato de dominar e provocar sofrimento. Pelo sadismo de observar a dor da vítima.

COMPARTILHAR:

Comentários