MS apresenta plano de ação de enfrentamento à violência contra mulheres fronteiriças

abril 5, 201812:49 pm
Titular da Segov, Eduardo Riedel; coordenadora da Comissão Permanente de Políticas para as Mulheres de MS, Luciana Azambuja; e governador, Reinaldo Azambuja. Fotos: Chico Ribeiro

Em reunião de governadores do Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul (Codesul), a coordenadora da Comissão Permanente de Políticas para as Mulheres de MS, Luciana Azambuja, apresentou plano de ação para políticas públicas de enfrentamento à violência, superação das desigualdades, desenvolvimento econômico e autonomia social de mulheres fronteiriças.

Em Mato Grosso do Sul, foram selecionados 18 municípios. As ações serão coordenadas e em conjunto entre os quatro estados-membros. Cada estado integrante do Codesul (MS, PR, SC e RS) irá mapear as cidades que estejam numa faixa de 50 quilômetros em toda a extensão da fronteira e que tenham mais de um terço de seu território nesse perímetro.

“Aprovamos as diretrizes e o plano de ação. Nessa primeira etapa faremos um trabalho de articulação política para criação de novas coordenadorias municipais da Mulher e de um Parlamento Feminino suprapartidário”, adianta Luciana, nomeada nessa quarta-feira (4.4) pelo governador Reinaldo Azambuja para coordenar a comissão do Codesul.

“É importante desenvolver um trabalho integrado na criação de mecanismos de proteção e apoio de mulheres vítimas de violência. A gente desperta uma pauta nacional de que a mulher se sentindo amparada ela denuncia o agressor e vem para uma sociedade que mostra essa preocupação”, destacouo governador, na reunião realizada em Florianópolis (SC).

Mapeamento

Diagnóstico feito pela subsecretaria de MS apontou uma série de situações de violência agravados pela realidade da fronteira. Entre eles, a utilização de mulheres como “mulas do tráfico” pelos companheiros, situação identificada também nos demais estados integrantes do Codesul.

“Apresentamos o diagnóstico e o plano de ação aos outros estados, que contribuíram e irão adaptar a implantação de acordo com a sua realidade”, detalha a subsecretária e agora coordenadora da comissão para as mulheres no Codesul.

No Estado, o trabalho será feito em conjunto com diversas secretarias que compõem o Governo, como a de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), a de Saúde (SES) e a de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro).

Também contará com a parceria das coordenadorias municipais existentes nos municípios de fronteira. Em onze deles já existem mecanismos organizados. Nos demais, o Estado dará suporte para a criação de coordenadorias que ajudem a centralizar as ações de defesa dos direitos das mulheres.

*Danúbia Burema 

Tags:
COMPARTILHAR:

Comentários