Medo de nova greve faz Petrobras voltar atrás e adiar reajuste no preço do Diesel

abril 12, 201911:13 am
A empresa afirmou ainda que manterá o alinhamento com o Preço de Paridade Internacional (PPI).

Petrobras desistiu de elevar o preço do diesel nas refinarias a partir desta sexta-feira após pressão do presidente Jair Bolsonaro, que defendia uma alta menor, disse uma fonte à Reuters, levantando incertezas quanto à independência da estatal no que tange a sua política de reajustes de combustíveis.

Na véspera, por volta do meio-dia, a Petrobras chegou a anunciar elevação de 5,7 por cento no valor do diesel para esta sexta-feira, mas à noite anulou o aumento e decidiu manter a cotação em 2,1432 reais por litro, praticada desde 22 de março.

O movimento ocorre diante de uma recente insatisfação de caminhoneiros em razão dos valores do diesel e dos fretes. No ano passado, a categoria organizou uma greve histórica por causa da alta do combustível mais consumido no país, o que abalou a Petrobras, culminando com a renúncia do então CEO Pedro Parente.

Conforme uma fonte do Palácio do Planalto, Bolsonaro ligou ao atual presidente da empresa, Roberto Castello Branco, logo após conversa com o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, pedindo por um reajuste mais brando.

“O presidente pediu para reduzir o aumento, de 5 para 1 por cento… É manter o aumento, mas não nesse percentual”, afirmou a fonte palaciana, sob condição de anonimato, dada a sensibilidade do assunto.

Indagada pela Reuters sobre eventual interferência do governo, a assessoria de imprensa da Presidência da República não respondeu de imediato. A Petrobras também não respondeu.

Contudo, em comunicado ao mercado após desistir de elevar o valor do produto, a Petrobras afirmou que “em consonância com sua estratégia para os reajustes dos preços do diesel… revisitou sua posição de hedge e avaliou, ao longo do dia, com o fechamento do mercado, que há margem para espaçar mais alguns dias o reajuste”.

“A empresa reafirma a manutenção do alinhamento com o Preço Paridade Internacional (PPI)”, concluiu.

A política de preços da Petrobras buscando a paridade está em vigor desde 2016, tendo passado por ajustes desde então. O mais recente movimento, anunciado em março, prevê que a companhia pode segurar a cotação do combustível por períodos mais longos nas refinarias, com alterações acontecendo em intervalos não inferiores a 15 dias.

Tags:
COMPARTILHAR:

Comentários