Lula diz que coxinhas não batem mais panelas, estão batendo a cabeça

agosto 12, 20178:36 pm
No Rio, ex-presidente afirma que país enfrenta retrocesso desde a saída do PT e que irá superar as dificuldades com a Justiça para ser candidato em 2018
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse neste sábado em ato da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Rio de Janeiro que o Brasil “voltou a ser o que sempre foi, e que havia mudado com a gente” e afirmou que os manifestantes que foram às ruas contra o PT estão desorientados diante da situação. “Muitos coxinhas agora não estão batendo mais panelas, e sim batendo a cabeça, porque não sabem mais o que fazer.”

“Esse país voltou a ser o que sempre foi, e que mudou com a gente. Todo o objetivo dessa perseguição ao PT, essas reformas da Previdência e trabalhista, tudo é para tentar destruir o que conquistamos há mais de 60 anos. Não têm competência para fazer o Brasil crescer, o que nós provamos que sabemos fazer (…). A falta de dinheiro na Previdência é resultado da incompetência dessa gente que está hoje destruindo o país”, afirmou.

Ele também voltou a dizer que vai superar as acusações contra ele na Justiça  é réu em seis ações e já foi condenado pelo juiz Sergio Moro na Operação Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no episódio envolvendo o tríplex do Guarujá. “Já provei a minha inocência, quero que provem que tenho R$ 1 que não é meu. Querem criminalizar a esquerda e o PT. Vou brigar para ser candidato em 2018”, afirmou.

Lula fez um discurso de cerca de meia hora em que criticou as reformas do governo Michel Temer (PMDB), repetiu a intenção de regular a imprensa se for eleito e anunciou sua caravana pelo Nordeste, que começa na quinta-feira, dia 17, e vai percorrer 28 cidades de nove estados, terminando em São Luís (MA) no dia 7 de setembro.

Lava Jato

Na sexta-feira, em evento na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, para marcar o lançamento do livro Comentários a uma sentença anunciada: o processo Lula, com artigos de juristas organizados por professores de direito, o ex-presidente disse que integrantes da força-tarefa da Lava Jato compõem um “partido político” e que a esquerda precisa “juntar os cacos” para vencer em 2018.

COMPARTILHAR:

Comentários