Esposa de jornalista assassinado relata “ele estava se despedindo nos últimos dias”

fevereiro 13, 202011:33 am
Em todo Mato Grosso do Sul, Veras era uma personalidade ímpar na comunicação policial da fronteira.

A esposa do jornalista Léo Veras, executado com 12 tiros ontem (12/2) à noite em Pedro Juan Caballero, disse que o esposo “estava se despedindo nos últimos dias”. A mulher conta que Veras iniciou a semana bastante inquieto, nervoso, sem qualquer motivo aparente.

O jornalista era uma das principais vozes de imprensa na fronteira. Para a investigação paraguaia, o assassinato tem motivação direta com o trabalho exercido pelo comunicador. Em entrevista à reportagem da TV Record semanas atrás, Veras disse estar sofrendo ameaças via mensagens de telefone.

Mas as ameaças sempre estiveram presente na rotina do jornalista. Conforme o ABC Color, recentemente ele esteve sob guarda da polícia paraguaia, mas até o momento ainda não se sabe o porquê a tutela foi retirada.

Veras foi baleado com 12 tiros. Dois homens encapuzados teriam invadido a casa dele armados e disparado contra o jornalista quando tentava fugir. Veras sofreu tiros nas costas e na cabeça. Apesar da gravidade, chegou a ser socorrido com vida até o Hospital Viva Vida em Pedro Juan, mas não resistiu e morreu.

O assassinato mobilizou diversas manifestações de repúdio à violência contra profissionais da imprensa. Léo é 19° comunicador assassinado nas mesmas condições desde que iniciou o regime democrático do Paraguai, há 30 anos.

O Sinjorgran (Sindicato dos Jornalistas da Grande Dourados) emitiu nota repudiando a fragilidade com qual os profissionais da fronteira vivem diariamente. A entidade relembra o caso de outro comunicador, Paulo Rocaro, executado em 2012.

“Diante dessa tragédia, o Sindicato lembra que há 8 anos, em Ponta Porã (MS), cidade brasileira que faz divisa com Pedro Juan Caballero, o jornalista Paulo Rocaro foi assassinado, em 13 de fevereiro de 2012. Segundo a investigação feita pela polícia brasileira na época, ele teria sido vítima de um crime político. Agora no velório de Léo Veras estarão praticamente os mesmos colegas que sepultaram o corpo de Paulo Rocaro. Por isso, o Sindicato cobra segurança e justiça e afirma sua solidariedade aos familiares de Léo Veras e a todos os comunicadores de Pedro Juan Caballero e de Ponta Porã”, afirma a nota.

O celular e o notebook dele foram apreendidos pela polícia paraguaia a fim de encontrar pistas sobre quem seriam os mandantes do assassinato. Em todo Mato Grosso do Sul, Veras era uma personalidade ímpar na comunicação policial da fronteira. Além de chefiar o próprio site, colaborava com vários veículos de imprensa em Dourados e Campo Grande.

Tags:
COMPARTILHAR:

Comentários