DEU RUIM: Após perseguição, contrabandista morre em troca de tiros com a PRF em MS

novembro 29, 201812:40 pm
Foto: JNE/Whatsapp

O motorista de uma carreta bitrem, não identificado, morreu no hospital após ser perseguido e baleado em troca de tiros com a PRF (Polícia Rodoviária Federal) no final da tarde desta quarta-feira (28) na BR-262, em Aquidauana.

De acordo com o comunicado, a equipe policial avistou duas carretas, uma M.Benz/Actros e uma Volvo/FH12 trafegando juntas em alta velocidade e tentou abordá-las. Na altura do km 510, uma das carretas parou (M.Benz/Actros), a outra (Volvo/FH12), desobedeceu a ordem e empreendeu fuga.
O motorista conduzia o bitrem de forma agressiva, expondo os demais usuários da rodovia em risco: dirigindo pela contramão de direção, o que poderia causar uma colisão frontal com outro veículo, como também forçando os veículos a seguirem pelo acostamento e até mesmo pararem ou saírem de pista.
Os policiais rodoviários federais chegaram a parear a viatura três vezes ordenando que o homem parasse a carreta e foram ignorados. Na terceira vez, o condutor realizou de dentro da cabine um disparo contra a viatura PRF, afim de evitar aproximação da equipe. Diante da agressão e do risco de um grave acidente, os PRFs realizaram disparos contra os pneus da carreta, o que obrigou o motorista a parar.
O homem parou sobre a pista de rolamento e logo que desceu do veículo efetuou vários disparos contra a equipe que reagiu revidando os tiros. O condutor, de 33 anos, foi alvejado e ferido, sendo socorrido pelos policiais, no entanto, não sobreviveu aos ferimentos e morreu minutos depois no Hospital Regional de Aquidauna.
As duas carretas apreendidas estavam carregadas com várias caixas de cigarro de origem estrangeira e sem documentação da alfândega. Ao todo foram contabilizados um milhão e cem mil maços, um prejuízo para o contrabando de cerca de cinco milhões e quinhentos mil reais.
A perícia ficou sob responsabilidade da Polícia Civil em Anastácio. As carretas foram encaminhadas à Receita Federal em Campo Grande e o preso, de 29 anos, foi encaminhado para a Delegacia da Polícia Federal também na Capital.
Nenhum dos policiais ficou ferido na ocorrência. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, os policiais tentaram de todas as formas evitar maiores danos e agiram com o uso progressivo da força até o momento em que foram expostos com a própria vida, “sendo obrigados a agirem com o uso progressivo da força e em estrito cumprimento do dever legal.”

 

Tags:
COMPARTILHAR:

Comentários