Coreia do Norte critica EUA por incitarem sanções apesar de gestos de boa fé

agosto 9, 20186:02 pm
REUTERS/Jonathan Ernst

A Coreia do Norte acusou os Estados Unidos nesta quinta-feira de pressionarem pela adoção de sanções internacionais apesar dos gestos de boa vontade de Pyongyang e disse que não se pode esperar um progresso nas promessas de desnuclearização se Washington continuar a seguir um “roteiro de atuação desatualizado”.

O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores disse em um comunicado divulgado pela agência estatal KCNA que a Coreia do Norte ainda está disposta a implantar um acordo abrangente firmado durante a cúpula história de junho entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un.

Os dois lados se comprometeram a trabalhar pela desnuclearização da Coreia do Norte, mas desde então mostram dificuldades de chegar a um acordo para atingir este objetivo, já que Washington insiste em manter a pressão das sanções durante as negociações.

 O comunicado norte-coreano veio na esteira de comentários feitos nesta semana por diplomatas norte-americanos graduados que enfatizaram a necessidade de Pyongyang adotar medidas adicionais para a desnuclearização. Estes, por sua vez, vieram na sequência de uma troca de farpas entre o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o chanceler da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, na semana passada nos bastidores de uma cúpula regional em Cingapura.

Nesta quinta-feira a chancelaria norte-coreana disse que seu país parou de testar mísseis e realizar testes nucleares e que desmontou “o local de testes nucleares” – mas os EUA continuam insistindo na “desnuclearização primeiro”.

A Coreia do Norte tomou a iniciativa de devolver os restos mortais de alguns soldados norte-americanos mortos na Guerra da Coreia de 1950-53 como gesto de boa vontade para superar a desconfiança entre os países, disse a chancelaria.

“Entretanto os EUA responderam à nossa expectativa incitando sanções internacionais e pressão contra a RPDC (República Popular Democrática da Coreia)”.

Tags:
COMPARTILHAR:

Comentários