Apesar das notícias de demissão, Mandetta continua ministro da Saúde

abril 6, 20206:21 pm
A possibilidade de exoneração de Mandetta, no entanto, continua forte.

Apesar de repetidas notícias sobre a demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta ainda permanece no cargo. Tanto o Palácio do Planalto, quanto a assessoria do Ministério da Saúde, não confirmam qualquer decisão de o presidente da República, Jair Bolsonaro, de demitir seu ministro.

Convencido por militares, o presidente Jair Bolsonaro resolveu não retirar o médico do comando da pasta. Atuaram para evitar a saída de Mandetta os ministros Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Governo). Segundo eles, Mandetta era a melhor opção por enquanto.

Mas o ministro da Saúde não está imune da “eliminação”. Bolsonaro se sente contrariado com relação às medidas tomadas sobre o isolamento mais amplo – conhecido como horizontal e que afeta todas as pessoas, não somente o grupo de risco (idosos, pessoas com doenças preexistentes).

O chefe do Executivo acusou o titular da Saúde de “falta de humildade” na última quinta-feira. No domingo, 5, sem citar nomes, afirmou que membros do seu Governo viraram estrelas e “falam pelos cotovelos”. Também destacou que não teria medo de usar a caneta contra eles.

Mandetta, no entanto, foi bastante elogiado por parlamentares pelas medidas contra a COVID-19, entre eles o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Em pronunciamento da semana passada, o ministro pediu que a população seguisse a orientação do isolamento social proposta pelos governadores, o que contrariou ainda mais Bolsonaro.

Enquanto Mandetta não desocupa o cargo, nos bastidores, os nomes mais apontados para a Saúde são os do deputado Federal Osmar Terra, da imunologista e oncologista Nise Yamaguchi, além do presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres.

Se depender do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, Henrique Mandetta irá assumir o posto de secretário da Saúde do Estado. Ele declarou que Mandetta ocupará “imediatamente”.

 

Tags:
COMPARTILHAR:

Comentários